Sobre ética e corrupção

Vi uma entrevista do professor e filósofo Mário Sérgio Cortella em que ele dizia que a ética se constrói nas pequenas ações do dia a dia. Lançou uma pergunta que deveria ser feita por todos os pais. Como educar filhos em tempos de tanta falta de ética e de corrupção?

“Só há uma forma de educar a nova geração. Com o exemplo. Teorias são abstratas para as crianças. O exemplo é concreto”. Aí me lembrei do meu livro de cabeceira, a Bíblia, que diz em Provérbios 22-6: Ensina o menino no caminho em que deve andar e até quando envelhecer não se desviará dele.

Ensinar a partir do exemplo, como abordou o Rei Salomão, há tantos séculos, e como muito bem abordou também Mário Sérgio Cortella, que enfatiza que se queremos combater a corrupção verdadeiramente, é preciso abandonar as ‘pequenas’ corrupções, o jeitinho brasileiro.

Cortella destaca que sãos as mesmas pessoas que dão péssimos exemplos as primeiras a cobrarem muito dos políticos, as que gritam em nome da moralidade e pelo combate à corrupção.

Ele alerta que elas furam fila, estacionam na vaga do idoso ou do deficiente, não param na faixa de pedestres, tentam subornar o guarda para não pagar multa, andam pelo acostamento, e praticam no dia a dia  muitas outras atitudes condenáveis.
Então, não me coloquem em “correntes” para falar mal dos políticos. Estarei sempre atenta para que as mudanças necessárias comecem em mim. Mudemos de atitude. De verdade. Para que os benefícios sejam sempre coletivos. Esqueça o jeitinho.
Porque como está hoje, não dá.  A corrupção é histórica e estrutural, ela não é do governo, como diria o também professor e filósofo Leandro Karnal, que faz um alerta. Pais seduzem as crianças com elementos de corrupção ao condicionar as ações delas a uma recompensa.

“Se você fizer isso eu te dou aquilo”.
Precisamos estabelecer nosso sistema de princípios e valores. Mostrar o caminho aos nossos filhos, para que façam as melhores escolhas. Ainda usando as palavras de Leandro Karnal: “Liberdade de expressão é um direito, mas saber que as palavras ferem é necessário.”

Quem são realmente os corruptos? Se nos lembrarmos da carta de Pero Vaz de Caminha ao Rei de Portugal, quando relatou a descoberta da terra em que se plantando tudo dá, ele termina com um pedido de emprego para um parente desempregado. São esses pedidos de favores individuais que abrem caminho para as grandes corrupções.

Então vamos nos juntar aos 95% dos brasileiros que são decentes, e repudiar com exemplos de ética, honestidade e honradez os apenas 5%(segundo dados apresentados por Mário Sérgio Cortella) de canalhas que se acham invencíveis, e cometem todos os abusos, querendo nos convencer de que isso é normal.

Eu acredito num Brasil melhor. Mas ele só é possível a partir de mim. Cabe encerrar com uma frase do filósofo alemão Immanuel Kant: “Se não puder contar como fez, não faça”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *