Quando não mandar o filho doente para a escola

Não tem nada que corte mais o coração de uma mãe ou pai do que ver o filho doente. A primeira reação é querer deixar a criança em casa para cuidar, medicar, facilitar a recuperação e evitar a disseminação, quando a doença é contagiosa. Mas nem sempre isso é necessário.

Se o seu filho estiver com alguma doença contagiosa, ele não deve mesmo ir para a escola como forma de precaução. Vírus e bactérias se espalham facilmente e facilitar o contato é um perigo para outras crianças e professores.

O correto é SEMPRE consultar o pediatra e até ter a certeza de que o que ele tem é ou não contagioso, o ideal é manter a criança longe do convívio com outras pessoas.

Sintomas e cuidados

Febre – Além da febre, ele pode estar irritado, letárgico, choramingando, inapetente, com nariz entupido e um pouco ofegante.

Quadros respiratórios, como bronquiolite ou gripe, especialmente se ele tiver febre. Em caso de coqueluche, a criança deverá permanecer em casa até cinco dias depois de ter iniciado o tratamento com antibióticos.

Resfriados comuns, só com coriza e espirros, sem febre, não são motivo de faltar.

Diarreia e vômito – Esses podem ser sintomas de uma virose estomacal, e seu filho precisa ficar em casa até dois dias depois de a diarreia e o vômito terem passado. Se aparecer sangue ou muco nas fezes, seu filho também não deve ir para a escola, já que pode sinalizar infecção.

Conjuntivite e secreção amarela saindo dos olhos significam que seu filho não pode ter contato com outras crianças.

Erupções de pele contagiosas, como impetigo, sarna ou berne – Manchas, vermelhidão ou bolinhas na pele acompanhadas de febre ou outros sintomas podem ser sinal de catapora, infecção pelo vírus Coxsackie (bolhas nas mãos, pés e boca), escarlatina, roséola ou sarampo. Veja uma galeria de fotos sobre manchas, bolinhas e erupções de pele.

O que faço para que ele possa voltar logo para a escola?

Além de deixar seu filho bem tranquilo em casa nessas ocasiões em que não está bem, bons hábitos de higiene realmente ajudam na prevenção de novas infecções.

Lave frequentemente suas mãos e as do seu filho com água e sabonete. Esse hábito é especialmente importante depois de troca de fraldas, de usar o banheiro, de assoar o nariz e antes de preparar e comer alimentos.

Procure montar com antecedência um esquema alternativo para quando seu filho ficar doente, uma espécie de “plantão”. Infelizmente, as doencinhas são comuns quando a criança é pequena, principalmente para quem frequenta creche ou escola, e você vai ter de ficar em casa ou arranjar alguém para cuidar do seu filho sempre que uma dessas infecções ou viroses aparecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *